top of page

O Passado como fonte de Poder

Por Regina Rapacci



Vamos direto ao ponto! Afinal, num mundo tão acelerado, não podemos perder tempo. Será mesmo assim? É preciso cuidado com as crenças que nos levam a cair em armadilhas. Quan- do atendemos às demandas externas e aderimos às tendências, sem questionarmos o que está por trás de cada uma delas, ao invés de adotarmos um ritmo natural que nos traga potência, aceleramos desenfreadas e afastamo-nos de nosso centro.

Ávidas por executar, sem prestar atenção ao que a vida nos pede, deixa- mo-nos iludir por uma visão simplista e moldamo-nos por condicionamentos massificados e mecanizados que resumem o ser humano a um animal inteligente. Tais técnicas até trazem resultados, mas estes não se sustentam se não levarem em conta a Essência Humana.

Nesta pressa exacerbada, o nosso passado é relegado às grutas sombrias do inconsciente. Mas, em qual- quer versão de mundo, frente aos avanços tecnológicos, a autoconsciência, a abertura para aprender continuamente e a determinação no agir, serão, juntos, diferenciais relevantes nos negócios. Tais capacidades vêm com a maturidade.

Não por mero acaso, na fase dos 40 anos, passamos por uma crise existencial. Podemos ter uma vida construída, uma família, um negócio estabelecido, um almejado cargo e até bolsas de grife ou carros de luxo. Ainda assim, somos apanhadas, no íntimo, a questionar-nos sobre o sentido de tudo, o que pode vir acompanhado de alguma angústia. Esta crise convida-nos a um viver mais pleno e “estratégico”, e muitas vezes leva-nos para as grutas do passado, onde há um tesouro a ser descoberto.

Ali, à luz das Leis Biográficas e dos Septénios – períodos de 7 anos, com os seus respetivos arquétipos – encontramos o Ouro da nossa Biografia.

Quem, de facto, eu sou? Surge a pergunta que coloca a nossa vida em movimento, de dentro para fora.

As Leis Biográficas

O pioneiro desta abordagem é o psiquiatra holandês Bernard Lievegoed. A partir de estudos fundamentados na obra do filósofo austríaco Rudolf Steiner, Lievegoed, em 1976, publicou o livro “Fases da Vida”. Gudrun Burkhard, médica e referência no assunto, sistematizou tais conteúdos, chegando a uma metodologia que resultou no surgimento de uma nova pro- fissão: o Aconselhamento Biográfico – modalidade que reconhece a nossa história desde o nascimento físico, o despertar de forças vegetativas e anímicas, que são alinhadas e orquestradas pela atuação do EU, a nossa auto- consciência.

Na década de 90, várias Formações Biográficas despontaram ao redor do mundo. Surge, então, o International Trainers Forum, um órgão de certi- ficação vinculado à General Anthro- posophical Section of the School of Spiritual Science do Goetheanum, em Dornach, na Suíça.

“...a autoconsciência, a abertura para aprender continuamente e a determinação no agir, serão, juntos, diferenciais relevantes nos negócios.”


As Leis Biográficas e os Septénios


Afinal, que Leis são estas? São Leis arquetípicas, inerentes ao Desenvolvimento Humano e que regem os septénios – conceito mencionado pela primeira vez na Grécia Antiga, no século V a.C., por Hipócrates, que se refere a um período de sete anos.

Os três primeiros septénios de vida, de 0 a 21 anos, abarcam a formação do nosso corpo físico, além do nosso temperamento e competências para interagir socialmente. As vivências ao longo deste período – traumáticas ou fortalecedoras – refletem-se pela vida fora e cabe a nós desenvolvermo-nos a partir desta base.

De 21 a 42 anos, segue-se um período de autoeducação e autoconhecimento, voltado para o nosso amadurecimento anímico, onde aprendemos a partir das nossas escolhas e atuação no mundo.

A partir dos 42 anos, entramos numa fase onde o tempo pode ser visto como um vilão ou um aliado, conforme o nosso processo de autodesenvolvimento. Neste caso, aos poucos, as nossas experiências transformam-se em sabedoria que disponibilizamos à sociedade, a partir de novos impulsos e encontros.

O Trabalho Biográfico


O processo de Aconselhamento Biográfico tem começo, meio e fim, e pode ser feito individualmente ou em grupo. Ele parte do momento atual do cliente, onde é feito um acolhimento das suas questões no presente. Depois, olha-se para o seu genograma e, só então, cada septénio é revisitado e narrado a partir de factos concretos. Em cada uma des- tas etapas, o cliente traduz a sua fala numa pintura em aquarela.

“Forma-se, então, um grande painel que representa o Caminho de Vida daquela pessoa.”

No final, o Aconselhador Biográfico devolve a história ao cliente, destacando pontos significativos da narrativa. Forma-se, então, um grande painel que representa o Caminho de Vida daquela pessoa. Ou seja, não se trata apenas de ordenar eventos, o que em si mesmo já é extremamente sanador pelas descobertas que o processo traz, mas de reconhecer a imagem que emerge e revela o “Fio Vermelho” que conduz aquela Biografia.

Avança-se, então, para o Espelhamento, onde a compreensão se aprofunda: os septénios são observados em diferentes perspetivas e o cliente pode perceber a sua evolução anímica, profissional e espiritual. Sim, o Trabalho Biográfico agrega ciência, arte e espiritualidade, esta no sentido de realização do ser.


A Mais Revolucionária Tecnologia: a Autoconsciência

Chega-se, finalmente, à coroação do processo, o momento onde, de volta ao presente, apoderado das descobertas do passado, o cliente “toma a vida nas próprias mãos” e olha para o futuro para definir os passos que almeja dar, considerando o que precisa ser desenvolvido e transformado, buscando o equilíbrio entre “o ter e o ser”.


Todo este processo de autoconhecimento pode ser vivenciado e também resultar numa nova carreira ou, simplesmente, agregar novos ângulos de visão aos profissionais ligados ao Desenvolvimento Humano, potencializando e diferenciando a sua atuação.

Vale a pena informar-se sobre a Escola Livre de Estudos Biográficos no seu país. A boa notícia, para quem vive em Portugal, é que ela iniciará as suas atividades por aqui no mês de setembro de 2022.

Enfim, seja qual for o seu Caminho, para viver bem no Presente, faça as perguntas certas ao Passado. Ele certa- mente lhe revelará o mapa do tesouro chamado Futuro. Por isso, toda a mu- lher, cada ser humano, merece passar pelo Trabalho Biográfico para a sua mais genuína, livre e vigorosa versão na vida.

Fica aqui o convite.


Por Regina Rapacci Aconselhadora Biográfica,

Escritora e Editora Administradora de Empresas e Especialista em Jornalismo Literário, facilita Workshops de Escrita, Storytelling e Contos para o Feminino. Em 2006, fundou a editora Biografias & Profecias. Embaixadora Master do Clube Mulheres de Negócios de Portugal, onde vive, é co-fundadora d’A Casa do Biográfico e sonha com o dia em que todas as mulheres se sintam em casa nas suas próprias biografias.



Texto original publicado na edição de setembro de 2022 da Revista "Mulheres de Negócios Magazine".

28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page