top of page

Síndrome da Impostora


Artigo Embaixadora Cidade Cláudia Marques - Fotos Wix.


Quando a amiga elogia o seu vestido e você responde desvalorizando dizendo que “foi em saldos”. Fica difícil simplesmente receber o elogio.


Quando você diz sim a tanto e o seu corpo está claramente dizendo Não.


Quando salta de ideia em ideia sem terminar a anterior, com a justificação de que não está conforme previa, sem perceber que não se trata do resultado e sim do processo, de quem você se torna em cada passo.


Todas nós já tivemos momentos de auto-sabotagem, são como blind spots que nos fazem duvidar das nossas realizações e competências. Como se num último instante nos “escapa” das mãos o que pretendemos alcançar ou mesmo alcançando atribuímos a um acaso. No final temos a nossa profecia auto confirmada: “Não sou boa o suficiente.” E seguimos neste loop..

Vamos um pouco mais fundo na questão?


Como você se sente ao receber um belo elogio sem tentar argumentar? Como se sente nos momentos de total prazer e alegria? Como se sente ao imaginar triunfar e brilhar em todas as áreas da sua vida?


Muitas de nós sabotamos o nosso próprio sucesso e abundância, não pelo medo de não ser suficiente, mas pela estranheza ao imaginarmos a nossa própria grandeza.


Será que mereço? O que poderia acontecer se manifestar o meu total poder?


Mulher, você merece a inteireza do seu Ser!


Permita-se manifestar a sua autenticidade, a sua grandeza, a sua beleza, a sua alegria, a sua auto-compaixão. É no seu alto nível de prazer e realização que você prospera. Quem gosta vem e quem ama fica.


Manifeste o seu potencial, é disso exatamente que você, quem a rodeia e o Mundo precisam!



*Superando sentimentos impostores: 7 estratégias que podem ajudar


1. Conheça os factos

Questione, dê um passo para trás, não se identifique e veja o quadro geral. Pergunte-se “Que factos apoiam esta ideia?” Imagine que fala com um amigo que minimiza as suas realizações, como você o ajudaria? E use essa mesma linguagem para si próprio.


2. Compartilhe os seus sentimentos

Compartilhar com outros de confiança não só diminui os seus sentimentos de solidão, como também abre portas para que outros compartilhem o que vêem em você.


3. Comemore os seus sucessos

As pessoas que lidam com sentimentos de impostor, tendem a ignorar os seus sucessos. Se alguém a parabenizar não responda muito rápido, preste atenção em como você responde e tente falar mais positivamente sobre si mesma. Faça por se “aplaudir” a si mesma quando tiver um novo ganho, isso ajuda a internalizar o seu sucesso. Você pode simplesmente refletir sobre os seus esforços, mas lembretes externos e concretos também são importantes.


4. Deixe de lado o perfeccionismo

A síndrome do impostor é um espectro, não um binário (tem ou não tem). Um pouco de “auto-questionamento” pode ser uma boa forma de nos adaptarmos, podendo até catalisar o nosso crescimento. Você não precisa baixar o padrão mas ajustar o seu padrão de sucesso pode facilitar a visualização e a internalização de suas realizações. Foque-se no seu progresso, ao invés de procurar a perfeição. E reformule os seus fracassos como oportunidade para aprender e crescer, o que acabará por levá-la ao sucesso. Liberte-se de papéis rígidos. Pessoas com síndrome do impostor, geralmente vêm-se como ajudantes, pessoas que vêm ao socorro. Libertar-se desses papéis para que você possa ser alguém que não sabe tudo ou alguém que nem sempre pode ajudar, permite-nos ser pessoas e profissionais mais confiantes.


5. Cultive a auto-compaixão

Usando a atenção plena tente observar quando os seus sentimentos de impostor vêm à tona e como você responde a eles. Enquanto o fenómeno do impostor é inconsciente e irracional, a atenção plena pode ajudar a mover-se numa direção diferente. Trata-se de aprender a reconhecer esses sentimentos de medo e aprender a realmente estar bem como você é. Relembrar que as suas realizações não estão vinculadas ao seu valor.


6. Compartilhe as suas falhas

Ouvir o que as outras pessoas pensam de você não é a única maneira de superar o fenómeno. Discutir falhas em um grupo pode ajudar a desenhar um retrato mais realista do que outras pessoas estão a lidar. Compartilhar os momentos de aprendizagem nas suas falhas, pode ser uma boa prática de cultura organizacional.


7. Aceitação

À medida que você aprende a lidar com o fenômeno do impostor, provavelmente interferirá menos no seu bem-estar. Mas ter consciência dos sentimentos de impostor, não significa que eles nunca mais aparecerão. Sempre seremos confrontados com novas experiências ou papéis e aí provavelmente surgirá. Portanto é bom reconhecer que, mesmo se você estiver progredindo, poderá estar numa posição daqui a um ano em que esses sentimentos aparecerão novamente.



Por Cláudia Marques.

Com formação e experiência diversificada entre psicologia, gestão e técnicas criativas, o trabalho da Cláudia propõe, usando formas simples e práticas, levar o ser humano a manifestar o seu potencial, refletindo-se na sua saúde e bem-estar.

Cláudia é Embaixadora Cidade do Clube de Mulheres de Negócios de Portugal e membro do Comitê de Saúde Emocional do Clube.

@claudia.sofia.marques

@claudiasofiamarques2020

79 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

コメント


bottom of page